Crônica : Um novo dia

20127500

23h
Abriu o email
Mensagem 22 de fevereiro

Olá !
Te esperamos as 9h da manhã  para sua entrevista.
Abraços .

Senti um sorriso abrir no meu rosto.

7h da manhã
Acordei ! Pra falar a verdade acho que nem dormir por conta da entrevista de estágio.
“” hum… Qual roupa colocar?? ” ” Sim! Cabelo solto.””
Arg! Só de entrar no ônibus já sentir um frio na barriga. ” ai Jesus , me ajuda.  De ônibus para a base militar é uns 45 minutos .

Que local incrível! Um museu moderno clink. Corredores largos, estéril, sem nenhuma viva alma. Quer dizer, com soldados paralisados,  sem piscar! “que vida é essa??!!”
Distraída, quase me perco em qual corredor deveria entrar . Bem ao fundo do corredor estava a secretaria.
Apressei os passos e nem percebi que parei enfrente a um soldado.
– Bom dia ! – Entrevistadora disse. Alta, pele clara , loira com a farda impecável.
– Bom dia !
– Suas indicações são ótimas!  – ah, que bom ! – sorrio .
No mesmo momento, senti uma respiração ofegante, funda, quente ao meu lado. Olhei. Lá estava aqueles olhos castanhos escuros paralisados em mim. Olhos que fez o meu coração disparar, ao mesmo tempo me fez perder o ar .

– Vamos ?!
Disparei em direção ao som daquela voz . Entrei em uma sala, com o ar condicionado no mínimo, frio .
– Vamos começar? ! – sim ! ” Não tem como eu começar, aqueles olhos !”

45 minutos depois…
Saio da sala . Feliz em saber que passei na entrevista. “Finalmente posso olhar novamente para aqueles olhos”. E lá estava ele sendo substituído por um outro colega.
Paraliso ! Começo a observar o que ele tem que desconcertou todo o meu corpo da minha mente.
No mesmo instante, sem ao menos perceber, aqueles olhos vieram ao meu encontro. Com a companhia de um sorriso leve, perfeito.
– Oi ! – Ele diz .
Caio em si . – Olá ! Desculpa eu estar ti olhando , eu…  – Tudo bem !
Rimos .

Dali em diante surgiu algo que até aquele momento nós dois não entendíamos. Era algo mágico,  diferente de tudo que eu vivi.  E em meio a essa troca de olhares, começamos a conversar, brincar. E por fim , percebi que duas vidas estavam se unindo.

Por Julieta : Karine Martins